Uso excessivo de panfletos em eleições

Uso excessivo de panfletos em Eleições

O ano de 2014 é de extrema importância em termos políticos, uma vez que a eleição nomeará o presidente e vice-presidente da República, deputados federais, senadores, governadores e vice-governadores, deputados estaduais; o governador e vice-governador do Distrito Federal e os deputados do Distrito Federal. Para tantas funções, será enorme o número de candidatos ao seu voto, consequentemente – imagine se cada um deles resolver despejar pelas suas respectivas cidades os milhares de panfletos de autopromoção e exaltação dos defeitos do concorrente?

Para questões como esta, existe um código eleitoral que direciona, entre outras coisas, a prática de distribuição de panfletos para fins propagandistas. Uma das interdições (porque nem tudo é permitido), por exemplo, é a oferta destes no período de vinte e duas horas antes do momento em que as urnas estarão liberadas para receber votos e no dia (isto é tido como arregimentação de eleitor ou a propaganda de boca de urna), ou mesmo distribuí-los em locais considerados bens de uso comum do povo, tais como cinemas, teatros, praças, bares e restaurantes, igrejas, escolas públicas ou particulares... Infelizmente, o que temos não é tão organizado assim.

Muito comum é vermos ruas e calçadas tomadas por santinhos e outros tipos de propagandas panfletárias de candidatos, obstruindo passagens e oferecendo riscos, principalmente aos idosos e às pessoas que também apresentem alguma dificuldade de locomoção. Já houve um caso infeliz em São Paulo; devido a uma chuva leve e algumas calçadas totalmente tomadas por conta do uso e distribuição excessiva de papéis de cunho político, uma senhora se acidentou e veio a óbito por causa de um trauma na cabeça em decorrência dos papéis molhados que provocaram o fatal escorregão. Este, portanto, é um dos exemplos mais trágicos entre as várias ocorrências em todas as eleições acerca de pessoas que se machucam - posto que as cidades enfrentam há algum tempo tal problemática.

Outro inconveniente derivado desta prática é, não só o descumprimento das leis em si, mas também o destino o qual estas folhas podem tomar. Cidades que enfrentam problemas de trânsito e inundações não podem permitir que a população toda seja prejudicada - pelo descaso dos candidatos e das empresas que promovem este tipo de propaganda – quando os panfletos vão parar em bueiros e córregos e impedem o curso da água, provocando entupimentos e pontos de alagamentos. Também se tem a poluição propriamente dita, pois não é incomum vermos sujos parques e áreas verdes.

Pensar que pelo demasiado uso desta ferramenta muitas áreas são desmatadas, ruas acabam inundadas e pessoas e natureza se acidentam, cabe propormos e até promovermos alguma mudança de pensamento ou estratégia nesse segmento. É sabido que as eleições são importantíssimas e, conhecer seu candidato bem como suas propostas é essencial, entretanto, refletir sobre os excessos talvez seja a maior das prioridades em momentos de planejamento. Uma boa gestão começa antes mesmo da vitória no pleito.

E caso você precise fazer seus flyers, folhetos ou panfletos, lembre-se sempre da Zocprint!